segunda-feira, 20 de junho de 2011

OS 3 P - FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS DE GESTÃO

Por Plínio José Figueiredo Ferreira


Qualquer gestão deve se utilizar de ferramentas que a leve a alcançar as metas elaboradas, e, no sentido mais amplo, cumprir a missão da organização tendo e mantendo o foco na Visão estratégica definida.
Acredito que entre outras ferramentas estratégicas importantes para que uma gestão seja eficiente e eficaz, estão o que estou chamando de “os 3 P’”. Longe de ser uma novidade, pode ser considerado um método de trabalho, óbvio para muitos. É fundamental que se dê importância ao Planejamento, às Pessoas e aos Processos.

Senão vejamos:
Nunca é demais lembrar o conceito e a relevância do Planejamento. Já disse em outros artigos que planejar é elaborar uma carta de bordo após definir aonde queremos chegar. O planejamento serve também para integrar todas as áreas da organização, fazendo com que todos participem e estejam comprometidos com seus objetivos estratégicos; serve para compor ao invés de impor; serve para administrar as divergências. Mais ainda, leva à definição de responsáveis e corresponsáveis pelas ações necessárias ao alcance da Visão estratégica.

Para tanto há necessidade de se ter um bom quadro de Pessoas competentes, capacitadas e motivadas para desenvolver aquelas ações. Competentes e capacitadas é bem diferente de formadas e treinadas. Significa dizer que a organização deve ter uma boa política de recursos humanos que agrega um bom plano de cargos e salários, incluindo benefícios, uma avaliação de desempenho o menos subjetiva possível e a manutenção de um bom clima organizacional. Em resumo, dentro deste P deve está a responsabilidade estratégica da organização que é a de recrutar, capacitar e manter satisfeitos os talentos internos.
Mesmo planejando e tendo pessoal competente, a organização não terá futuro se os seus Processos não atenderem, no mínimo, a necessidade dela ser eficiente. Muitos gestores confundem o fluxo com o processo propriamente dito. O fluxo é o desenho do processo nas suas etapas.
Conceitualmente, denominamos de atividade ao conjunto de tarefas desenvolvidas; o conjunto das atividades desenvolvidas é denominado processo; o conjunto de todos os processos é denominado de sistema integrado.

Em muitas empresas, alguns gestores mexem no fluxo, e criam gargalo no processo e, por consequência, no sistema, que se desintegra. Com essa falta de visão sistêmica, o Processo fica totalmente emperrado. Culpa-se o sistema, quando a verdadeira culpa está nas Pessoas. E isso é falta de Planejamento.

Assim, a relação tri-unívoca entre os P é inequívoca. Deve fazer parte da estratégia de qualquer organização que busca resultado, que busca eficiência e eficácia.  

Inequívoco também é que não estar atento a essas ferramentas de gestão, é cometer um grande equívoco.

Minha intenção é provocar o início da reflexão. Começar, por assim dizer, a desmistificação de alguns conceitos tidos como herméticos, e privilégio de poucos.


Plínio José Figueiredo Ferreira é Administrador e Consultor. Sócio-Diretor da Habilitas Consultoria e Serviços em Gestão Empresarial. Autor de artigos sobre Administração Estratégica. Palestrante e Professor em cursos de educação continuada e extensão universitária.
pliniojfferreira@gmail.com habilitasconsultoria@gmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário